segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

PGM Especial Feminismo

"Ser tratada como um objeto, não ter o talento reconhecido, ser consumida, inferiorizada e virar uma posse: as mulheres ainda sofrem com o machismo. Fizemos então um programa com reportagens, entrevistas e cenas de humor para mostrar essas situações e apontar um caminho melhor. É o PGM Especial sobre o Feminismo. Uma feminista define bem: "a mulher não quer privilégios, quer ser tratada igual ao homem: como gente." Conta com a participação de: Clara Averbuck, escritora e blogueira feminista Ana Paula Simione, pesquisadora de história da arte e gênero Eva Blay, socióloga feminista e professora da FFLCH - USP Djamila Ribeiro, pesquisadora na UNIFESP e militante do movimento feminista negro Coletivo 2ª Opinião, grupo de teatro feminista Equipe Direção: Ana Paula Chinelli Produção e reportagens: Bruna Escaleira, Filipe D'Elia, Luiza Fernandes e Jéssica Stuque Assistência: Djalma Moraes Imagens e edição: Alexandre Gennari, Clara Bastos, Clara Lazarim, Maria Kauffmann e Thales Figueiredo"

domingo, 4 de agosto de 2013

O anjo da história



"Há um quadro de Klee que se chama Angelus Novus. Representa um anjo que parece querer afastar-se de algo que ele encara fixamente. Seus olhos estão escancarados, sua boca dilatada, suas asas abertas. O anjo da história deve ter esse aspecto. Seu rosto está dirigido para o passado. Onde nós vemos uma cadeia de acontecimentos, ele vê uma catástrofe única, que acumula incansavelmente ruína sobre ruína e as dispersa a nossos pés. Ele gostaria de deter-se para acordar os mortos e juntar fragmentos. Mas uma tempestade sopra do paraíso e prende-se em suas asas com tanta força que ele não pode mais fechá-las. Essa tempestade o impele irresistivelmente para o futuro, ao qual ele vira as costas, enquanto o amontoado de ruínas cresce até o céu. Essa tempestade é o que chamamos de progresso."

(Sobre o conceito da história - Walter Benjamin)

segunda-feira, 10 de junho de 2013

Um Lugar ao Sol (2009)



"O diretor pernambucano Gabriel Mascaro (atualmente em cartaz com o documentário Doméstica) entrevistou moradores de nove coberturas em Recife, São Paulo e Rio de Janeiro para construir este mosaico de personagens que oscilam do normal ao grotesco no filme Um Lugar ao Sol, de 2009. Um deles, o empresário paulista Oscar Maroni, dono da boate Bahamas, exibe toda a filosofia de vida de quem frequenta (sic) “os melhores hotéis, os melhores relógios, as melhores roupas” . “Me sinto muito mal quando vejo pobres que não têm um Jaguar, um Mercedes”, diz. O filho de uma madame carioca, espécie de futuro Chiquinho Scarpa sob efeito de LSD, resume o privilégio de se morar no alto: quem possui uma cobertura estaria mais próximo de Deus do que o restante dos mortais. “Aqui nós podemos falar com Deus mais facilmente”, concorda a mãe.
Percebe-se que o “estar acima” dos cidadãos comuns não é apenas uma figura de linguagem quando o jovem pernambucano –que ganhou o apartamento de presente dos pais mas não quer ser chamado de playboy– revela preferir a piscina da cobertura do que a praia lotada, suja e cheia de tubarões lá embaixo. Ou quando o casal do Rio de Janeiro se alegra ao contar como é bonito, visto do alto, os bandidos trocando tiros nos morros vizinhos. “É tudo colorido, parecem fogos de artifício”, narra a esposa, olhos brilhando. Perfeita simbologia dos “diferenciados” que fogem do convívio com os habitantes da vida real, o documentário de Mascaro causa risos nervosos no espectador –além de desprezo. Não percam."